Iogurte banoffee, banana e doce de leite


Tenho recebido imensos pedidos para novas receitas de iogurtes e por isso hoje trago uma combinação daquelas bem gulosas. Quem não gosta de banoffee?
Ótimos para saborear em casa, ao pequeno almoço ou mesmo como sobremesa. Ou ainda para completar a marmita num dia de trabalho. Sabe tão bem um mimo destes, caseiro.
Imaginei-o assim, com um creme de doce de leite no fundo, rodelas de banana à volta e um delicioso iogurte de banana caramelizada, bem sólido. Recomendo que levem a colher até ao fundo, a combinação  de sabores é sublime e cada colherada é puro prazer!





Iogurte banoffee, de banana e doce de leite


{Iogurte}
  • 800 ml de leite meio-gordo (fresco tipo Vigor)
  • 2 c. (sopa) de leite em pó (magro)
  • 40g de açúcar amarelo
  • 1 c. (chá) de pasta de baunilha ou extracto
  • 1 iogurte natural
  • 1/2 lata de doce de leite (leite condensado cozido)

{Banana caramelizada}
  • 3 bananas maduras
  • 1 c. (chá) de manteiga
  • 1 c. (sopa) de açúcar amarelo


BANANA CARAMELIZADA E DOCE DE LEITE

Esmagar 2 bananas com um garfo. Levar a manteiga a derreter numa frigideira anti-aderente. Juntar a banana e o açúcar e cozinhar uns 5 a 7 minutos. Reservar.
Cortar a banana restante em rodelas finas. Reservar.
Entretanto levar ao lume num tachinho, o leite condensado cozido (que normalmente é muito espesso) com um pouco de leite, mexendo sempre até obter um creme. Distribuir doce de leite no fundo de cada copo. Colocar uma rodela por cima do doce de leite e encostar 3 rodelas à volta no interior de cada copo, junto ao creme. Reservar.

IOGURTE

Thermomix-Bimby: No copo colocar o leite, o leite em pó, a baunilha, o açúcar e misturar na 15seg/vel 4. Programar 9 min/90º/vel.3 (ou até começar a ferver). Deixar arrefecer até à temperatura de 37ºC. Quando estiver morno, juntar a compota de banana e triturar na vel. 5/7/9 uns segundos.  Juntar por fim o iogurte natural e misturar novamente uns segundos na vel. 3.

Tradicional: Levar ao lume o leite, o leite em pó, o açúcar, a baunilha e misturar com uma vara de ararmes, até ficar bem dissolvido. Quando levantar fervura retire do lume e deixar arrefecer. Quando estiver morno, juntar a compota de banana e triturar com a varinha mágica.  Juntar por fim o iogurte natural e misturar novamente com a vara de arames.

Distribuir o leite pelos copos delicadamente para não descolar as rodelas de banana. Caso se tenha formado espuma no topo, retirá-la com a ajuda de uma colher.
Levar à iogurteira cerca de 8 a 10 horas. Colocar as tampas e reservar no frigorífico pelo menos 4 horas antes de consumir.
Caso não tenha iogurteira, deverá abafar bem os copos com uma manta polar, dentro do forno previamente aquecido a 50ºC, cerca de 12 horas.








Gelado de brigadeiro



Esta semana trago mais um gelado... mas não é um gelado qualquer, é simplesmente o mais guloso que já fiz! Quando vi pela primeira vez o livro A Vida Secreta dos Gelados Caseiros, da Rita Nascimento autora do La Dolce Rita, fiquei logo rendida. Receita após receita, cada uma melhor que a anterior, foi muito difícil escolher. Como tinha uns cones de chocolate para estrear, lá me decidi pelo gelado de brigadeiro que é uma autêntica perdição e fica super cremoso. Quase não sobrava para fotografar!




Gelado de brigadeiro
Do livro A Vida Secreta dos Gelados Caseiros, de Rita Nascimento

  • 250ml de leite gordo 
  • 200ml de natas p/ bater 
  • 200g de leite condensado (1/2 lata) 
  • 30g de leite em pó 
  • 2 c. (sopa) de chocolate em pó 
  • 1 pitada de sal grosso (opcional) 
  • 3 gemas grandes 
  • Rolinhos de cacau da Vahiné


{Preparação}


Tradicional: Num tacho, levar as natas, o leite, o leite condensado, o chocolate, o leite em pó e o sal, a lume médio. À parte bater as gemas com uma vara de arames e reservar. Assim que o leite e as natas estiverem prestes a ferver, retirar do lume e ir deitando sobre as gemas, mexendo sempre. A seguir baixar rapidamente a temperatura do creme: colocar o recipiente com a base no lava-loiça cheio de água e gelo; ou levar ao congelador durante uma hora depois passar para o frigorífico umas horas até ficar bem frio.


Thermomix-Bimby: No copo, juntar as natas, o leite, o leite condensado, o chocolate, o leite em pó e o sal e aquecer 7min/80º/vel 1. À parte, misturar bem as gemas com uma vara de arames e reservar. Assim que o leite e as natas estiverem quentes, deitar pouco a pouco sobre as gemas, mexendo sempre para que estas não cozam. Deitar de novo a mistura no copo e cozinhar 7min/80º/vel 2, mais 1min/90º/vel 3. A seguir baixar rapidamente a temperatura do creme: colocar o recipiente com a base no lava-loiça cheio de água e gelo; ou levar ao congelador durante uma hora depois passar para o frigorífico umas horas até ficar bem frio.

Bater a mistura bem fria na sorveteira durante cerca de 40 minutos. Transferir o gelado para uma caixa hermética, polvilhar com os rolinhos de cacau e envolver com um garfo. Levar ao congelador pelo menos uma noite ou até solidificar bem.

Caso não tenha sorveiteira deverá colocar a preparação numa caixa no congelador e retirar de 30 em 30 minutos e mexer com o garfo (ou batedeira) para quebrar os cristais de gelo e ficar mais cremoso, até solidificar.








Tarte de arroz doce


Hoje trago uma receita italiana, da região da Toscânia. Ao ver esta torta di riso no Food52  tive logo de experimentar. Sendo o arroz doce uma das minhas sobremesas favoritas, tinha a certeza que ia adorar. É composta por duas camadas. A de cima faz lembrar o crème caramel, uma camada delicada de pudim (embora tenha optado por polvilhá-la com canela). A camada de baixo é mais densa, como um arroz doce envolvido em creme. Rica em sabores, aromatizei com baunilha, tonka, raspas de limão e canela. Uma autêntica delícia que foi devorada num instante!




Tarte de arroz doce
Adpatada do Food52


  • 500ml de leite gordo, morno
  • 6 ovos
  • 250g de açúcar
  • 100g de arroz (p/ sobremesas)
  • 2 pitadas de sal
  • Raspas de limão (ou laranja)
  • Raspas de tonka (opcional)
  • 1/2 vagem de baunilha, raspada
  • Canela em pó p/ polvilhar


Untar uma forma de 21 a 23cm com manteiga e polvilhar com farinha. Cozer o arroz em água com uma pitada de sal, cerca de 10 minutos, até ficar al dente. Escorrer e reservar. 

Tradicional: Bater ligeiramente os ovos com o açúcar, o sal, as raspas e a baunilha até ficar homogéneo. Juntar o arroz cozido e o leite morno e misturar com uma vara de arames. 

Thermomix-Bimby: Colocar no copo os ovos, o açúcar, o sal, as raspas e a baunilha e misturar 1min/vel.3. Juntar pelo bocal o arroz cozido e o leite morno e misturar 20 seg/ vel.2, colher inversa. 

Deitar o preparado na forma e levar ao forno pré-aquecido a 180ºC, durante 50 a 60 minutos, até ficar dourado por cima e ligeiramente firme ao toque.










Macarons de amora e rosa



Agosto chegou e por cá já começou a época das amoras silvestres. Como já tinha saudades de macaronar, aproveitei para experimentar a combinação amora/rosa que já tinha sido aprovada nesta geleia e que é simplesmente maravilhosa. Os macarons vão ficando cada vez melhores, não há dúvida que só com a prática é que se consegue. Vou sempre anotando os tempos e temperaturas no forno e vou alterando ligeiramente as quantidades para obter o macaron perfeito no método francês que, para mim, é o mais prático e mais saboroso por levar menos açúcar.
Espero que experimentem, fico a aguardar o vosso feedback.
Boas férias!





Macarons de amora e rosa


GANACHE DE AMORA E ROSA

  • 140g de chocolate branco de culinária 
  • 60ml de natas p/ bater
  • 60g de puré de amoras (cerca de 300g de amoras silvestres)
  • Umas gotas de água de rosa alimentar

(A preparar de preferência na véspera )

Triturar as amoras com uma colher de sopa de água e umas gotas de água de rosa e levar ao lume num tachinho. Assim que o molho ganhar uma cor viva, retirar do lume, filtrar para retirar as grainhas e reservar cerca de 60g de coulis numa taça.

Derreter o chocolate branco em banho-maria. Juntar as natas em 3 vezes e misturar bem com a vara de arames. Por fim juntar 60g de puré de amora e misturar bem. Reservar tapado, no frigorífico 3h no mínimo ou a noite toda de preferência, até ficar firme.



MACARONS


Para cerca de 25 macarons Ø3cm :

  • 90g de amêndoa moída
  • 90g de açúcar em pó (icing sugar)
  • 70g de claras de ovos, separadas, à temperatura ambiente (aprox. 2)
  • 90g de açúcar branco
  • Corante violeta e rosa (em gel)


Num robot de cozinha ou no copo da Bimby, juntar o açúcar em pó e a farinha de amêndoa e pulverizar uns segundos. Peneirar esta mistura e reservar.

Pesar as claras. Aconselham a utilizar claras envelhecidas, isto é, separadas das gemas e guardadas no frigorífico uns 4 ou 5 dias antes da confecção. Costumo congelar claras e quando necessito descongelo 2 ou 3 dias antes e reservo-as no frigorífico.

Colocar as claras numa taça e começar a bater na vel. média. Quando começar a formar espuma juntar metade do açúcar (45g) e continuar a bater (Bimby: com a borboleta e na vel. 3.5). Assim que o merengue formar bicos de papagaio juntar o restante açúcar e bater na velocidade máxima (carca de 10 minutos) ou até já não sentir o açúcar (ao esfregar um pouco com os dedos). Adicionar o corante a gosto e bater uns segundos até ficar homogéneo.

Incorporar a mistura de amêndoa no merengue e envolver delicadamente, com a ajuda de uma espátula de silicone, fazendo movimentos de baixo para cima, de forma a não partir as claras e não perder muito ar, até obter um crème homogéneo e brilhante.

Preparar um saco de pasteleiro com uma boquilha redonda com cerca de 1cm de diâmetro. Para facilitar e para que as conchas fiquem regulares e redondas, imprimir esta minuta e colocar por baixo do papel vegetal, em cima de um tabuleiro de forno. Com o saco pasteleiro perpendicular ao tabuleiro, apontar o bico no centro do círculo e pressionar até preencher o círculo. (desta maneira sairão redondas salvo se a massa estiver demasiado fluída, neste caso tenderá a expandir-se). Provavelmente formar-se-á um pequeno bico que desaparecerá em segundos. Ao terminar, bater com o tabuleiro na bancada duas ou três vezes para ficarem lisos.

Deixar repousar cerca de 1 hora num local seco, se possível noutra divisão da casa (nada de lavar a loiça com os macarons por perto). É muito importante deixar repousar, visto que durante esse tempo se formará uma capa seca ao toque e ajudará a formar a característica crostinha na base do macaron durante a cozedura. Se preferir poderá deixá-los a secar dentro do forno morno.

Entretanto pré-aquecer o forno a 150ºC meia hora antes. Tocar os macarons e verificar se a superfície já não cola. Retirar a minuta com cuidado. Colocar o tabuleiro no meio do forno a 140ºC e ao fim de 3 a 4 minutos, abrir ligeiramente a porta do forno e entalar uma colher de pau. A partir deste momento irá de formar o pé do macaron. Cozer cerca de 15 a 20 minutos. A partir dos 14 minutos tentar levantar um macaron para ver se ainda está mole ou se está quase. Este processo depende muito do forno de cada um*. Não deverá deixar dourar os macarons, estes deverão formar uma concha lisa e firme ao toque, o interior deverá ficar macio e húmido e a base lisa e seca.

Retirar do forno, deixar arrefecer um instante antes de descolá-los. Com o dedo pressionar a base de cada concha delicadamente para formar uma covinha, desta forma serão mais fáceis de rechear. Poderá guardar numa caixa hermética se não os rechear no próprio dia. Com a ajuda do saco pasteleiro, rechear cada concha com a ganache e tapar com a outra concha, pressionando delicadamente.

Conservam-se numa caixa hermética no frigorífico. Deverão ser consumidos, de preferência após 24h, à temperatura ambiente.

*A temperatura do forno é a parte mais complicada, e depende muito de cada forno. Recomendo uma temperatura mais baixa (130º a 140ºC) para macarons de cor clara, e uma temperatura mais alta para macarons de cor escura (150ºC). O ideal será ir testando várias vezes e anotar os resultados até acertar a temperatura e o tempo ideal. O mais importante é não desistir!